Grupo Padrão Ouro: Uniselva recebe prêmio pela qualidade de sua atuação em 2016…

Dado início no projeto para reforma da sede

História

O Grupo Escoteiro Uniselva foi fundado em 7 de dezembro de 1980, data da 1ª promessa, sendo que as primeiras atividades já vinham sendo realizadas todos os sábados, desde 5 de outubro daquele ano.

No entanto, a história desse grupo, que permanece em atuação ininterrupta no campus da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) até os dias atuais, teve início meses antes. Sua criação é resultado de um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da estudante do curso de Serviço Social Geraldina Guimarães, intitulado “Como se Criar um Grupo Escoteiro na UFMT”.  A futura assistente social teve a ideia de seu local de trabalho, o Sesc Porto, onde funcionava um grupo escoteiro.

O trabalho acadêmico logo ganhou vida, ao ter sua proposta abraçada pelo setor de Recursos Humanos da UFMT, inicialmente para possibilitar uma atividade saudável nos fins de semana aos filhos de servidores. Essa limitação nem chegou a ser implementada e, ao abrir às portas, o grupo escoteiro recebeu crianças e jovens de toda a comunidade.

As primeiras definições ocorreram em reunião de trabalho com a presença da chefe da Coordenação de Recursos Humanos da instituição, professora Cleonice Chein; da professora do Departamento de Geografia, Célia Borges; dos servidores Antonio Francisco Leite Pereira, José Amilcar Bertoline Castro e Luiz Miguel de Farias (este último, já pertencente ao movimento escoteiro), além dos chefes escoteiros Adnauer Tarquinio Daltro (Comissário do Distrito Escoteiro de Cuiabá), Juarez Romão (assessor para o Ramo Escoteiro) e Benedito Campos (mais conhecido como chefe Pelé).

O Grupo Uniselva iniciou as atividades tendo como chefe do grupo a professora Célia e como sub-chefe o servidor José Amilcar, que acumulou a função de primeiro chefe da tropa escoteira. Célia também se desdobrou, sendo ainda a primeira Akelá da alcateia, contando como assistentes as jovens Anadelma e Nelma Marques Borges.  Como assistentes da tropa estavam os estudantes Luiz Fernando Gil Sosa e José de Almeida Neto. No início, o grupo funcionou junto ao setor de Serviço Social do Recursos Humanos da universidade.

O recrutamento inicial resultou na inscrição de 32 pessoas para trabalhar como voluntários e, conforme recomendava a União dos Escoteiros do Brasil (UEB),  o grupo começou com seções compostas por 8 garotos. Todos os voluntários participaram, logo no primeiro dia de atividade, 5 de outubro, do Curso Básico para Chefes de Alcateia  e no dia 11 de outubro de 1980 foi a vez da seção destinada aos lobinhos iniciarem as suas atividades.

Nos primeiros anos, itens como barracas, fogareiros, lonas, material de sapa, panelas e outros eram providos pela UFMT, por meio da atuação do professor Edilson Leite Bezerra, pró-reitor financeiro e grande admirador e incentivador do escotismo.

Na semana seguinte, foi eleita pelos pais a primeira Comissão Executiva do GEU, atualmente denominada de Diretoria do Grupo. Foram eleitos: presidente - professor Lídio Modesto; diretor financeiro - professora Clorice Póhl Moreira de Castilho; diretor tesoureiro – professor Islér Silveira Leite; diretor administrativo - servidora Marilena Tamburrino e diretor de relações públicas – professor Mario Zini.

Primeira Promessa

As primeiras promessas foram feitas em 7 de dezembro de 1980, numa notável cerimônia que contou com o Coral da UFMT, autoridades acadêmicas e presença de pais e comunidade, tudo organizado pelo presidente do grupo, professor Lídio Modesto, que ocupava o cargo de chefe do cerimonial da universidade. A solenidade contou com a presença do comissário Regional de MT, Névio Lotufo, e da Assistente Distrital do ramo Lobinho, Alice de Souza Lotufo, além do Grupo Pascoal Moreira Cabral. O símbolo, o lenço e a bandeira do grupo foram desenhados pelo pai de um lobinho, o arquiteto Julio De Lamônica Freire.

Dois anos depois, o GEU tinha se tornado referência em Mato Grosso pelo modo como foi criado dentro dos padrões exigidos pela UEB.

Foi o momento de mais um passo importante: a inclusão de meninas no grupo. A novidade tinha sido instituída por um grupo de Minas Gerais, que havia implantado uma alcateia de meninas. O passo inicial foi preparar os garotos bem como as chefias. Após dois anos de preparação, em 1985, o Uniselva passou a contar com meninas, tornando-se o segundo grupo no Brasil a ter lobinhas e escoteiras.

De 1980 para cá, o Grupo Escoteiro Uniselva  fez história:

– Foi o primeiro grupo criado em uma universidade

– Foi o primeiro grupo de MT a ter meninas e o 2º do Brasil

– Foi o primeiro grupo de MT a ter uma mulher dirigindo um grupo escoteiro e o 2º do Brasil

– Foi o primeiro grupo do Brasil a ter um Mestre Pioneiro mulher

– Participou de três atividades Internacionais: Jamboree Farroupilha, Jamboree Panamericano e Jamboree Mundial no Japão

– Recentemente esteve presente em dois 2 Jamborees Nacionais:  Rio de Janeiro e Natal

– Participou da Aventura Nacional  Senior, no Amapá, e da Aventura Nacional Sênior, no Espírito Santo, em 2016

– Esteve, em outubro de 2015, no MUTPIO em Florianópolis

– Participou de todas INDABAS Nacionais:  Mairiporã, São Vicente entre outras

– Marcou presença na 1º INDABA da região Centro Oeste, em Goiânia, e realizou a 2º INDABA Centro-Oeste em Cuiabá

– Realizou com sucesso o Desafio PET, onde a Tropa Sênior e o Clã Pioneiro, navegou em barcos construídos de material reciclável

– Agraciado com menção honrosa pela Assembleia Legislativa, pela elaboração e execução do Projeto 100 anos da Expedição científica Roosevelt-Rondon

Neste período já passaram pelo Uniselva milhares de jovens e centenas de adultos. Já estamos na fase de recebermos netos de pessoas que, quando crianças, foram escoteiros no GEU. A chefia e diretoria são constituídas por pais dos membros juvenis e por outros que estão no grupo desde crianças.

Pelas seções do GEU passaram jovens que hoje são empresários, políticos, advogados, médicos, professores, fisioterapeutas, juízes, promotores de justiça, pais e mães de famílias dedicados, e profissionais em ramos variados, todos contribuindo com seu valioso trabalho voluntário construindo um mundo melhor.

Sede

A primeira sede foi no campus da UFMT, na avenida Fernando Correa da Costa, próximo ao Bloco Administrativo (Casarão), onde funciona até hoje. A sede é adaptada às atividades escoteiras, fruto da persistência e muito trabalho de todos os pais e jovens que já participaram do Grupo que, cumprindo os lemas escoteiros, estiveram Sempre Alerta para fazer o Melhor Possível.

 

Veja aqui a Galeria de Fotos Históricas do Grupo Escoteiro Uniselva!

Veja aqui documentos históricos do processo de criaçao do Grupo Escoteiro Uniselva na UFMT!